quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Inovação Aplicada - 08 Passos para alcançá-la


Alguns temas são diferenciais na gestão de negócios transformando-se em verdadeiros fatores chave de sucesso. Um desses temas é a Comunicação que, infelizmente costumamos dizer, é um problema em no mínimo 100% das empresas. Mas o tema destacado aqui é o da Inovação, hoje, um divisor de águas do sucesso ou fracasso dos negócios, em qualquer segmento.



O aumento da competitividade, a ascensão da tecnologia á categoria de "comodities", e a enorme proliferação da informação via tecnologia da informação tornou a diferenciação uma busca incessante por parte das empresas. E a inovação é peça fundamental dessa diferenciação.
A inovação dever ser aplicada, isto é, dirigir-se objetivamente á agregação de valor aos resultados organizacionais. Ela é um fato social e fruto de intenso relacionamento e contribuição grupal. Por isso muito complexa!
A ideia pode ser uma ação individual, mas a inovação nunca.
Ela exige maturidade e compreensão coletiva e pessoal. Pessoal porque a inovação subtende a "entrega" de um resultado e, portanto, a implementação de um processo que extrapola os limites organizacionais de uma seção, departamento ou Diretoria. É uma ação organizacional que exige visão de gestão adequada para ocorrer, pois além das competências técnicas inerentes á ação, prepondera a necessidade de efetiva capacidade de relacionamento, convencimento e agrupamento de interesses e parcerias.
É, portanto, uma ação coletiva, mesmo que organizada e, por vezes, tutelada por um profissional.
Ideias povoam o imaginário, mas muito poucas se transformam em negócios ou agregam valor significativo. A inovação é a ideia colocada em prática, isto é, a ideia transformada em valor. Esse é o principio da Inovação Aplicada, a agregação de valor.
Mas não temos ilusões, isso só será conseguido por meio de uma gestão que estimule um ambiente colaborativo e de confiança para que o compartilhamento das informações e percepções seja favorecido e, sugerido. Estamos nos referindo á Gestão do Conhecimento.
E não podemos pensar, apenas, nos profissionais jovens, que estão iniciando no mercado de trabalho. Precisamos, decisivamente, dos profissionais experientes que, além da experiência detém consciência da necessidade de compartilhamento nestes tempos de profusão exacerbada de novos dados e informações.
Apenas 6,5 % de todos os ganhadores do Premio Novel tinham menos de 40 anos e praticamente todos de áreas essencialmente técnicas. A média de idade dos ganhadores de Prêmios Novel é acima de 50 anos. Nelson Rodrigues, na sua competência de observador do cotidiano afirmava: "Inovadores, envelheçam depressa, com toda urgência, envelheçam"!
O que estes fatos sugerem é que é necessário algum tempo de vivência e maturidade para conduzir grupos heterogêneos a resultados globais e, hoje, parece ser necessário mais tempo para absorver a maior parte de todo o conhecimento disponível.
Outro aspecto importante na questão da Inovação é a da liberdade de criação. Costumamos dizer que "uma boa ideia não sobrevive sem alguém apaixonado por ela". Isso quer dizer que devemos "permitir" que os inovadores desenvolvam suas próprias alternativas de ação. Sem dúvida podemos melhorar as ideias, mais é importante que não façamos isso, pelo menos no início. Quando nos dispomos a melhorar as ideias dos outros descaracterizamos a origem da ideia. "Já não é mais a ideia que eu trouxe!". Dessa forma perco a "paternidade" da ação e, consequentemente a força da ação.
Por isso "permissão" é atitude chave para um ambiente de inovação.
As vezes permissão para que a melhor solução seja "escolhida" pelo mercado. É o princípio do processo seletivo da teoria evolucionista (lembram-se de Darwin?) em que a melhor solução é selecionada pelo mercado / usuários / clientes.
Em suma, desenvolver um ambiente de inovação exige alguns cuidados.
Alguns desses são:
Gestão do conhecimento > faça a informação ser compartilhada / documente melhorias, por menores que sejam.Utilize a tecnologia para facilitar o trabalho / dessa forma gere tempo discricionário para que possam pensar não só em fazer o trabalho, mas como poderá vir a ser....Permite que iniciativas não completamente comprovadas sejam testadas. Não há como se ter um planejamento muito detalhado de novas concepções, até então não muito conhecidas.Não use o "status quo" para avaliar novas concepções. Não dá! São referenciais diferentes.É provável que novas concepções tenham que ter novos processos e isso poderá gerar custos. E daí? Não há desenvolvimento sem investimento! E pode ser o futuro.Mescle suas equipes. Tenha profissionais jovens e mais velhos para aproveitar o melhor de cada um. Reforce compartilhamento de visões e percepções. Esse é o caminho!Pequenas iniciativas podem ser o embrião de grandes modificações. Não pense, apenas, em grandes projetos. Pequenos projetos podem ser, inclusive, um excelente treinamento das suas equipes.Tenha paciência e invista na relação, considere o erro como um processo de aprendizagem e "permita".
Não são "dicas" fáceis de serem seguidas. Mas não estamos falando de diferenciação. Afinal se todos puderem fazer deixa de ser diferencial.
Por isso coloque toda sua competência nesses princípios, ou esqueça o futuro!

Por: Bernardo Leite Moreira

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Você está preparado para o ataque da concorrência?


A maioria das empresas está focada nas próprias ações e se esquece de prestar atenção no que seus principais concorrentes estão fazendo. A preparação para não ser atacado pela concorrência é extremamente necessária nos dias de hoje, em que existem menos barreiras de entrada e mais opções de produtos e serviços substitutos. Estar preparado para qualquer ataque da concorrência pode evitar que a sua empresa e suas vendas caiam drasticamente.

John Graham, autor do livro “Marketing da Atração: A Estratégia Rápida para Colocar sua Empresa no Topo”, defende que a única iniciativa prudente é a de “blindar” seu negócio, tornando-o à prova de balas, antes que o tiroteio comece.
Mesmo que o conceito pareça óbvio, poucas empresas estão realmente preparadas quando o tiroteio começa – sejam tiros dos competidores mais agressivos ou de uma economia conturbada. A maioria das empresas simplesmente torce pela melhora das condições. “As coisas vão melhorar”, dizem confiantemente. “Já passamos por isto antes”. Para Graham, essas frases refletem simplesmente a ignorância empresarial, que pode levar uma empresa a fechar suas portas.
Pode parecer um pouco de exagero de sua parte, mas Graham tem razão no que diz, e quem já passou por isso sabe do que estou falando. O mercado é competitivo e os clientes, hoje, têm muito mais opções do que tinham antes. E sua equipe tem de estar preparada para enfrentar e superar essa concorrência.
Existem passos práticos que uma empresa pode dar, para garantir seu futuro. E o que vai acontecer se você respeitar essas estratégias? Nos tempos de vacas gordas, você ganhará dinheiro como nunca. E se um concorrente tentar derrubá-lo, você não será vulnerável. Parece bom? E é! Confira aqui os conselhos de Graham para você montar suas defesas e blindar sua empresa:
- Nunca pare de se preocupar.
- Nunca tome um cliente por garantido.
- Nunca se contente com o que tem.
- Nunca assuma que você realmente conhece seus clientes.
- Nunca assuma que amanhã será melhor do que hoje.
- Nunca pare de vender sua empresa para seus clientes.
- Nunca dependa da reputação do preço mais baixo.
O trabalho de blindar sua empresa não é mais uma opção. Também não é o tipo da coisa que você deixa para fazer quando tiver tempo e as coisas estiverem mais tranqüilas. Essa blindagem é justamente a base para manter sua empresa forte e crescendo.
Além disso, é uma estratégia que requer planejamento, atenção consistente e intensidade. Mas os resultados sempre valem a pena, como diz o ditado: “Não existe nada mais emocionante do que tentar te atingir e não conseguir”.
Por: Raul Candeloro



Gestão do Tempo



1. Estabeleça os objetivos com clareza.
Tenha estabelecido bem claro para você o que pretende atingir de mais importante em dois ou três meses ou nas próximas semanas. Anote essas metas com destaque numa folha de papel e deixe-as sempre bem à vista. Isso fará com que não esqueça de suas metas. Lembre-se: barco sem rumo não chega a porto algum.


2. Faça uma lista diária e priorize as atividades. 
Relacione diariamente, numa folha de papel ou em sua agenda (pode ser notebook, também), todas as atividades a serem cumpridas nesse dia e estabeleça prioridades começando sempre pelas mais importantes. Assim poderá monitorar o andamento dos trabalhos, em vez de perder tempo com picuinhas que engolem o seu tempo, deixando-o dopado, mas sem nada renderem de efetivo. Uma folha de planejamento diário será de muita utilidade para sua definição de prioridades, tanto de atividades a serem executadas quanto de telefonemas a serem feitos. 



3. Delegue.
Passe a bola aos seus subordinados, começando pelas rotinas e procedimentos operacionais.Depois, se puder, delegue também atividades e trabalhos de maior responsabilidade, desde que a pessoa esteja apta para assumir a tarefa. Caso contrário, treine-a. Delegando você estará livre para vôos mais altos e fazer coisas mais nobres. 


4. Saiba tomar decisões.
Não existe carteirinha de chefe que o salve de tomar, algumas vezes, decisões erradas. Uma decisão errada é, quase sempre, melhor do que não tomar nenhuma decisão. Mas abusar do erro é pior do que não tomar nenhuma decisão. Tente identificar as causas do problema mediante as clássicas perguntas:O Quê?, Quando?, Por Quê?, Onde?,Quem?, Quanto?. Isolado o problema e descobertas as causas, tome a decisão. 
Se estiver em dúvida quanto à melhor decisão , pergunte às pessoas que já enfrentaram o problema como o resolveram. Pesquise também em livros, ou reúna seus subordinados e peça-lhes sugestões.Uma boa ideia é também procurar um especialista no assunto. 


5. Saiba dizer NÃO.
Não recusar nenhum serviço, por menos volumoso que seja, quando você já está atolado de trabalho até a ponta do nariz, não lhe trará nenhum reconhecimento de outros. Acabará apenas ganhando a taça do “Engole Sapo”. Trabalhar muito é uma coisa,mas ser soterrado pelo trabalho é outra bem diferente. Se alguém (como seu chefe, por exemplo) quiser lhe empurrar um serviço e você estiver atolado, diga claramente que não tem condições de assumir mais um trabalho,sob o risco de comprometer seriamente o prazo e a qualidade do que você já está fazendo. Sugira outra pessoa e, se mesmo assim seu chefe insistir, faça com que ele assuma a responsabilidade pelos atrasos que advierem nas atividades que você já estava desempenhando.



6. Seja breve ao telefone.
Ligações telefônicas constantes atrapalham e atrasam o trabalho. Depois das rápidas gentilezas iniciais vá direto ao assunto, seja breve e objetivo, sem entretanto perder a simpatia. Concluído o diálogo, agradeça e encerre o contato. A menos que você seja relações públicas, vendedor ou algo semelhante, não há motivo para esticar um telefonema. Imunize-se também contra interrupções telefônicas quando estiver concentrado num trabalho importante ou em reunião. Peça à secretária – ou a alguém – para anotar o número e ligue mais tarde.



7. Faça reuniões produtivas.
Nada mais fácil do que dinamitar uma reunião. É só introduzir assuntos não agendados, discutir o sexo dos anjos, abordar assuntos irrelevantes e deixar que dois ou três galos de briga monopolizem a reunião e fiquem discutindo entre si. Reuniões eficazes exigem um coordenador (para disciplinar a discussão e também marcar o tempo), assuntos previamente agendados do conhecimento de todos, participação e envolvimento dos participantes e, ao final,cópia para todos das decisões tomadas na reunião, com os compromissos assumidos por cada um (quem são os responsáveis pelas tarefas ou projetos) e as datas de realização.

8. Evite o perfeccionismo.
“O perfeito é inimigo do ótimo”, diz o ditado. A perfeição é desejável, mas raramente necessária. Isso parece estar acima do nível de compreensão do perfeccionista, o qual acha que tudo – de um simples bocejo à mais avançada astronave – deve ser impecável. Nada pode ter andamento sem antes passar pelo seu neurótico controle de qualidade – relatórios, projetos, digitação, cartão-ponto, limpeza, etc -, e assim decisões importantes e essenciais deixam de ser tomadas, porque o “deus-da-perfeição”,excessivamente comprometido com a importância das picuinhas desnecessárias, não consegue ver as oportunidades passando ao lado. Se o ótimo já está ótimo, deixe o rio continuar fluindo, e não o impeça. Quase sempre o perfeito custa tempo, dinheiro e esforço que não compensam o trabalho. O perfeito só deve ser buscado quando for realmente imprescindível.



9. Saiba como usar sua energia trabalhando a seu favor. 
Todos temos um “relógio biológico” que regula nosso fluxo de energia no decorrer das 24 horas do dia. Pesquisas científicas comprovaram que nossa capacidade de raciocínio,    criatividade e tônus muscular atingem seu auge entre oito e onze horas da manhã. Esse ritmo diminui quase pela metade no período da tarde e à noite não chega a 20%. Nada melhor então do que remar a favor da maré. Pela manhã, sempre que possível, execute atividades nobres, que exijam clareza de raciocínio, dedique-se a um projeto importante, faça reuniões produtivas (e rápidas), estabeleça contatos essenciais etc.À tarde, de preferência, dedique-se mais a rotinas e trabalhos corriqueiros. Agora, se você gosta de testar seus limites de atleta olímpico, então na hora do almoço faça sempre refeições substanciais, com muita comida gordurosa e regada a muito vinho ou cerveja e, em seguida, vá a uma reunião importante ou desenvolva um trabalho que exija concentração e veja os resultados. Entretanto, se você não for “aquele” atleta, nem quiser testar seus limites, então almoce com frugalidade e evite bebidas alcoólicas.Você continuará produtivo no período da tarde e com disposição até para algum trabalho à noite, se precisar. Reserve, de preferência, o fim de semana para colocar em dia suas necessidades gastronômicas e etílicas, se sentir essa necessidade. 



10. Organize-se.
Os sintomas da desorganização são: deixar tarefas inacabadas, fazer várias coisas ao mesmo tempo, incapacidade de concentração, adiamentos constantes, não programar suas atividades. Existem tarefas que exigem dias, semanas ou meses de trabalho, e muitas vezes não temos condições de alocar períodos de tempo sem que haja várias interrupções. Use então a “técnica da mortadela”. Quem se propuser a comer uma mortadela de dois quilos de uma só vez é sério candidato a uma inesquecível indigestão. Mas, se ela for fatiada e consumida aos poucos, depois de alguns dias, não existirá mais nenhum pedaço dela. 
O mesmo se dá com tarefas trabalhosas e difíceis. Divida-as em porções menores e depois complete-as passo a passo. Neste caso é essencial estabelecer prazos e dividir o trabalho em etapas, completando um segmento de cada vez. Assim, você se sentirá gratificado ao perce-ber que já completou uma parte do projeto e estará motivado para iniciar a próxima etapa. 



11.Saiba o que fazer com os papéis (vale também para e-mails).
Se você coleciona papéis em cima da mesa ou entope as gavetas com eles e sente-se incomodado com isso, então utilize estas alternativas: 

a. Jogar Fora. Pergunte-se:“Qual a pior coisa que poderia acontecer se eu jogasse esse papel no lixo (ou deletasse)?” Se a resposta for “nada”, então jogue no lixo (ou delete) sem o menor constrangimento.Exemplos de papéis descartáveis: intermináveis folhetos de propaganda, folders de seminários e conferências a que não irá assistir, notícias obsoletas, informações que não são de seu interesse.



b. Transferir. Transfira os papéis (ou e-mails) que não são de sua alçada ou do seu interesse ao chefe, colega ou subordinado etc. e que poderão ser de utilidade a eles.



c. Agir. Se tiver que tomar alguma atitude em relação a algum papel (ou e-mail),tome logo,contanto que não interfira nas suas prioridades, a menos que seja algo mais importante do que essas prioridades. Se você mesmo não puder executar as tarefas, então delegue-as a alguém. 



d. Arquivar. Se o papel (ou e-mail) tiver alguma utilidade futura, arquive-o. Assim poderá recuperar o documento futuramente quando necessitar dele. 



12. Pratique a relação 80/20.
Já no final do século XIX, o economista italiano Vilfredo Pareto afirmava: 80% das riquezas do mundo são produzidas por 20% das nações; 20% das riquezas restantes são produzidas por 80% das nações. Essa relação vale também para a administração: 80% que de importante você produz num dia vem de 20% de suas atividades; enquanto que 20% da produção de um dia vem de 80% de outros trabalhos. 
Descubra quais os 20% do seu trabalho diário (isto é, o que é realmente essencial em seu trabalho) que lhe dão 80% de produtividade. Descubra também quais as picuinhas, rotinas e atividades que tomam 80% do seu tempo e que lhe trazem apenas 20% de produtividade. Descarte-as quanto antes, pois elas o estão fazendo cair na armadilha da improdutividade, camuflada sob a forma de muito trabalho. É bom lembrar que os “super” bem-sucedidos raramente trabalham tanto quanto os meramente bem-sucedidos: é que eles trabalham de um jeito mais inteligente. 
Falta de tempo é o eterno álibi dos incompetentes. A alta produtividade é o resultado dos que aprenderam a esgrimir com o fantasma do tempo.

Por: Ernesto Artur Berg

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Dicas sobre liderança e trabalho em equipe. APRENDIZ 7...

O Líder em Seis Ds


Seis Dimensões? Seis Desejos? Seis Dogmas? Nada disso. Apenas uma forma fácil de memorizarmos como atua um líder moderno. Já que a missão do novo líder é motivar, capacitar e inspirar, veja como os princípios abaixo - todos começando com a letra D – pontuam suas atividades:

DESCONTRAÇÃO 
A empresa precisa de colaboradores criativos, certo? Portanto rigidez e autoritarismo nem pensar. É importante a equipe estar solta, à vontade para criar, opinar, discordar. Uma piada, ou uma brincadeira feita na hora certa pode ajudar e muito. Seja gente, seja sincero, seja agradável. Uma decoração leve também ajuda. E bom humor é fundamental.

DIRECIONAMENTO 
Pode parecer um paradoxo, mas paralelamente à descontração, é preciso foco. Ao direcionar, o líder ajuda seus colaboradores a incorporar a missão da empresa, harmonizar objetivos e estabelecer prioridades.

DESAFIO
Por meio do desafio, trabalho deixa de significar sacrifício ou tortura (como já foi em sua origem etimológica) e passa a ser sinônimo de criatividade, realização, aprendizado e, sobretudo, prazer. Esta motivação é adquirida aos poucos, cada vez que uma pessoa se percebe mais capaz. O psicólogo organizacional Mihaly Csikszentmihaly, em seu livro A Psicologia da Felicidade mostra como administrar desafios para obtermos bons resultados e prazer: quando uma pessoa está aprendendo uma nova tarefa, ela tem pouca aptidão e provavelmente alto grau de ansiedade. Com o tempo, ela aprende a realizar a tarefa, e sua ansiedade chega a um ponto ótimo de fluidez, prazer e resultados. Mais tempo passa e nosso personagem já “tira de letra” a aptidão para a tarefa. Nesse momento, seu desafio será pequeno. Se a tarefa se tornar repetitiva, a conseqüência será o tédio. Antes que ele se instale, é hora do novo desafio!

DIFERENCIAÇÃO
É ótimo reconhecer e valorizar as diferenças entre cada membro da equipe. Ajuda e motiva aproveitar as características individuais de cada um, tanto de personalidade como de experiência profissional. A pessoa se sente respeitada, passa a ousar mais, sem medo de ser diferente dos outros. Só com a aceitação das diferenças acontece a verdadeira inclusão.

DESAPEGO 
Uma equipe é mais produtiva quando seus membros estão realmente voltados para a melhor solução e conseguem se desapegar de idéias e paradigmas anteriores. È preciso abandonar o ego, as certezas, a noção de uma única alternativa. Às vezes é difícil, mas a conscientização do comportamento, a mudança de valores e principalmente o treino podem ajudar muito.

Juntado esses 5 Ds com uma boa dose de motivação e comprometimento, o líder consegue o que é mais importante em uma equipe: DETERMINAÇÃO. E se ele mesmo a tiver, será um líder querido, eficaz e inspirador.

Por: Gisela Kassoy

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

7 dicas para exercitar a sua criatividade


Aprenda a exercitar sua criatividade e ir mais longe na vida profissional e pessoal


1) JOGUE UM JOGO
Não aquele de explodir as cabeças dos zumbis. Um jogo de raciocínio, que te force a pensar, raciocinar e criar uma estratégia. Um RPG, um jogo de cartas ou até umas palavras cruzadas podem fazer uma grande diferença.
2) MUDE ALGO
Fuja da rotina. Se você sempre pega um mesmo caminho, escolha outro. Preste atenção naquilo que você está fazendo "no automático" e faça diferente. Mude até a sua postura com relação a algumas coisas. Vai fazer uma grande diferença na sua vida profissional e pessoal.
3) SEJA CONVENCIDO
Você precisa convencer a si mesmo de que é uma pessoa criativa e que pode fazer grandes coisas. Se você não acreditar em si mesmo, quem vai? Não deixe ninguém te convencer de que você não é capaz, mas convença aos outros e a si mesmo de que você tem talento e capacidade de sobra.
4) RELAXE
Pare um pouco, saia, pense em outra coisa. Não adianta se colocar sob pressão. Geralmente as boas ideias alcançam a gente quando a gente não está esperando. Tente esquecer os problemas um pouco. Cabeça cheia de preocupação não dá espaço para a criatividade. Eu sei que é difícil, mas lembre-se que o nervosismo em si nunca resolveu nenhuma situação.
5) VEJA UM FILME
Uma ótima forma de expandir sua criatividade. Assistindo a um filme, o seu imaginário entra em ação e você praticamente abandona o mundo real e entra totalmente no imaginário, tanto que você consegue se envolver com os sentimentos de um personagem mesmo sabendo que são apenas atores, não é verdade?
6) LEIA UM LIVRO
Livro é ainda melhor do que o audiovisual para a criatividade, porque com um filme você só tem o trahbalho de receber a informação visual e com um livro você precisa criar o cenário e a aparência dos personagens mentalmente. Quer forma melhor de exercitar o cérebro?!
7) COMUNIQUE-SE
Uma pessoa tem muito a oferecer, por mais simples que ela seja. Converse mais com as pessoas, tente conhecê-las sem julgá-las. Apenas para aprender mais. Se você é tímido(a), faça disso um exercício. Garanto que vai valer a pena.
Por: Gustavo Azevedo

Quer ser mais produtivo em 2012? Então, planeje-se


Todo dia ouço alguém dizer sobre como o tempo têm passado rápido demais, ou comentar que, quando percebeu, já estava no final do ano. Se tiver uma coisa de que ninguém pode duvidar, é de que o tempo não para nunca! Isso é fato. O problema da falta de tempo de que as pessoas ainda não entenderam o básico: devemos nos adaptar às 24 horas que temos disponíveis para realizar as nossas atividades, e não ficar desejando que o tempo seja maior, o dia tenha mais horas...
Analise como foi seu ano em 2011. Ele foi produtivo? Você chegou a realizar as suas promessas feitas no começo do ano? Não? Então, está na hora de traçar um planejamento para que em 2012 sua lista de tarefas cumpridas seja mais extensa! Aproveite esses últimos meses para organizar os seus pensamentos e listar aquilo que realmente quer fazer no próximo ano. Para isso, leve em consideração:
Revise o que é importante para você – Ano que vem você precisará de mais foco para não perder tempo à toa. Se questione e tenha clareza em suas respostas. "Que atividades eu devo focar em 2010 e quais devo descartar? Faça uma lista de "FOCO" e outra de "STOPs", depois de concluída faça uma lista de prioridades por ordem de importância. Olhe para os 5 primeiros itens da lista e detalhe um plano de ação na sua agenda para cada um deles.
Use uma agenda – Aproveite o começo do ano para escolher uma ferramenta única, centralizada e prática, em que você possa centralizar todos os seus planos. Tenha uma agenda.
Tenha poucas metas – Não adianta fazer muitos planos, o melhor é focar em poucos objetivos ao longo do ano, mas que sejam relevantes e viáveis. Como roteiro, pense exatamente no que você quer e defina, pense em indicadores (quanto precisará investir) e em uma lista de ações práticas, de curta duração.
Crie pontos de controle – A cada bimestre, agende uma reunião de 1 hora com você mesmo para revisar seus planos, suas metas, seus "FOCOs" e "STOPs". Isso diminui o risco de que a promessa caia em desuso ao longo da execução.
Compartilhe seus objetivos com alguém de confiança – Escolha uma pessoa próxima, que ajude você a manter o nível de confiança, motivação e o questione sobre os planos. Pode ser um coaching profissional ou aquele amigo que faz você pensar na vida.
Coloque você no seu ano – Quanto mais tempo tiver para você, mais energia terá para executar seus planos em 2012. Inclua atividades de lazer, esporte, ócio ou o que fizer você "recarregar as baterias" com uma periodicidade quinzenal.
Com essas ações você terá mais controle e foco sobre aquilo que deseja realizar. Esses serão os primeiros passos para que o próximo ano seja mais produtivo!
Por: Christian Barbosa

quinta-feira, 3 de novembro de 2011